Os Benefícios da Utilização da Cannabis Para Tratar a Epilepsia

Procure alternativas naturais e trate a epilepsia usando os benefícios da cannabis.
10 June 2021
6 min read
Os Benefícios da Utilização da Cannabis Para Tratar a Epilepsia

Conteúdos:
  • 1. Mas primeiro, o que é a epilepsia?
  • 2. Como a cannabis pode tratar a epilepsia?
  • 2. a. O que as pesquisas descobriram sobre o assunto
  • 3. Cannabis para a epilepsia mudando o mundo
  • 3. a. O caso de charlotte figi
  • 4. A conclusão: um apelo à investigação

Como já deve ou não ter ouvido, a marijuana é uma substância extremamente promissora no campo médico. De facto, é muito provável que, com o tempo, a cannabis ganhe mais reconhecimento em todo o mundo, conseguido tornar-se uma substância legal em vários países. 

A marijuana medicinal pode ser utilizada para tratar uma vasta quantidade de condições de saúde, desde condições psicológicas, por exemplo, depressão, ansiedade, ou alguns tipos de distúrbios alimentares, até condições físicas, tais como as que envolvem dor ou inflamação, distúrbios de pele, e alguns sintomas do câncer. 

Um grande uso da cannabis que sempre esteve em crescimento exponencial é como tratamento para pacientes com epilepsia. Uma vez que a erva pode proporcionar tanto efeitos físicos como psicológicos, a planta pode ajudar a reduzir muitos dos sintomas relacionados com a doença, ainda mais, melhorando a qualidade de vida dos pacientes que sofrem da mesma. 

 

A marijuana medicinal pode mudar para sempre a vida de uma pessoa epiléptica.

A marijuana medicinal pode mudar para sempre a vida de uma pessoa epiléptica.

 

Alguns dos diferentes benefícios de usar cannabis para tratar a epilepsia incluem: 

  • Uma diminuição notória das convulsões e convulsões;
  • Melhoria da qualidade de vida;
  • Redução dos efeitos secundários em comparação com outros medicamentos;
  • Um tratamento alternativo natural que se pode cultivar em casa, e mais.

Vamos mergulhar nas formas como a marijuana mudou a forma como abordamos a epilepsia. 

1. Mas Primeiro, O Que É A Epilepsia?

A fim de compreender como a cannabis pode ajudar no tratamento da epilepsia, devemos ser capazes de compreender o que é a epilepsia em primeiro lugar, certo? 

A epilepsia é uma doença do sistema nervoso central que altera a actividade normal no cérebro, produzindo convulsões, períodos de comportamento incomum ou sensações incomuns, incluindo por vezes a perda de consciência.1

Esta condição neurológica pode desenvolver-se em qualquer pessoa a qualquer momento dado, embora seja mais provável que se desenvolva em crianças pequenas e pessoas mais velhas. Uma pessoa é diagnosticada com epilepsia depois de ter sofrido vários episódios de convulsões. 

É ainda um mistério a razão pela qual estas convulsões são produzidas, embora se acredite que possam ser hereditárias, provocadas por lesões cerebrais ou traumas. A epilepsia é geralmente tratada através de mudanças de dieta, tomando medicamentos e fazendo neuroestimulação, que consiste em enviar correntes eléctricas para o sistema nervoso usando um dispositivo. 

No entanto, nem todos podem aceder a este tipo de tratamento, e ainda mais, por vezes nem sequer estes são tão eficazes como a cannabis para tratar a epilepsia, uma vez que alguns tipos de epilepsia são resistentes às drogas.

 

A epilepsia é uma doença do sistema nervoso central que altera a actividade normal no cérebro

A epilepsia é uma doença do sistema nervoso central que altera a actividade normal no cérebro.

 

Vamos ver como os pacientes epilépticos podem beneficiar-se e melhorar a sua qualidade de vida com marijuana medicinal.

2. Como a Cannabis Pode Tratar a Epilepsia?

Embora os anticonvulsivos possam efectivamente ajudar a tratar pacientes epilépticos, 40% deles são resistentes a estes medicamentos, pelo que isto exige medidas mais recentes. Além disso, são estes tipos de medicamentos que também produzem efeitos secundários nos pacientes, tais como sonolência extrema, tremores, queda de cabelo e dores de cabeça.

A cannabis, por outro lado, é natural e uma óptima alternativa aos anticonvulsivos.

 

A cannabis reduz muitos dos efeitos secundários que outros anticonvulsivos produzem.

A cannabis reduz muitos dos efeitos secundários que outros anticonvulsivos produzem.

 

De facto, foi descoberto que vários canabinóides têm propriedades de supressão de convulsões ao interagirem com a enorme quantidade de receptores CB1 presentes na amígdala e hipocampo, sendo o primeiro a parte do cérebro ligada às respostas do corpo ao medo e ao estresse, e o último que desempenha um papel essencial na aprendizagem e na memória. 

O Que As Pesquisas Descobriram Sobre O Assunto

Por exemplo, um estudo liderado em 2018 foi estabelecido para analisar a eficácia da cannabis para o tratamento da epilepsia. Este estudo centrou-se em pacientes que lidam com a Síndrome de Lennox-Gastaut, LGS, uma forma extremamente rara e complexa de epilepsia na infância, normalmente ocorrendo entre crianças entre os 3 e 5 anos de idade e persistindo na idade adulta.2

Nos pacientes do estudo que sofreram duas ou mais crises por semana, alguns receberam doses diferentes de CBD, enquanto outros receberam um placebo durante um período de avaliação. Os resultados mostraram que as crises de queda diminuíram em 42% entre o grupo com as doses mais elevadas. 

No grupo dos placebo, notoriamente um 17% também percebeu uma diminuição nas suas convulsões. Os pacientes relataram também ter sofrido alguns efeitos secundários, tais como diarreia e sonolência. 

 

A investigação provou a eficácia da cannabis para tratar diferentes formas de epilepsia

A investigação provou a eficácia da cannabis para tratar diferentes formas de epilepsia.

 

Outro estudo, feito em 2017, foi também centrado na investigação da utilização do CBD para o tratamento da Síndrome de Dravet. Esta é outra forma rara de epilepsia resistente a drogas que normalmente se manifesta no primeiro ano de vida de uma criança que de outra forma seria saudável e se estende ao longo da sua vida. Normalmente causa convulsões prolongadas que afectam um lado do corpo, e febre.3

A investigação analisou um grupo de 120 adultos e crianças que foram aleatoriamente distribuídos ou em doses diferentes de CBD. O principal objectivo era medir as alterações no número de convulsões ao longo do período de tratamento.

Entre o grupo que mostrou um decréscimo de até 50%, 43% pertencia ao grupo que foi administrado CBD. Mas mais uma vez, entre o grupo de placebo, houve um decréscimo de 27% nas convulsões. No entanto, não houve uma redução significativa das convulsões convulsivas. 

3. Cannabis Para a Epilepsia Mudando o Mundo

Quando a marijuana começou a mostrar a sua eficácia para tratar as diferentes formas de epilepsia, grandes massas de pessoas e organizações começaram a manifestar-se para fazer ouvir as suas vozes. De facto, vários países conseguiram a legalização da marijuana medicinal graças a tais organizações e pessoas.

 

A Argentina conseguiu a legalização da cannabis medicinal graças a várias manifestações.

A Argentina conseguiu a legalização da cannabis medicinal graças a várias manifestações..

 

Um grande exemplo disto é a Argentina, não só porque é o meu país natal. Em Novembro do ano passado, 2020, após anos e anos de luta, o país finalmente aprovou o cultivo da planta em casa para fins médicos, e criou uma rede nacional de fornecedores de erva para satisfazer as necessidades daqueles que procuram utilizá-la como uma alternativa médica.

A iniciativa foi primeiramente impulsionada por um grupo chamado Mamá Cultiva (Mamãe Cultiva em espanhol). Começou por divulgar a forma como a planta estava a ajudar a melhorar a qualidade de vida dos filhos dos membros e também por sublinhar a importância da legalização, a fim de obter a paz de espírito de que ninguém viria a puni-los por violarem a lei. 

Os líderes do grupo falavam frequentemente em programas de rádio e entrevistas explicando como não havia maneira absolutamente nenhuma de deixarem de administrar óleo de CBD aos seus filhos, depois de terem notado que o que antes era 4-5 convulsões por semana se tinha transformado em 2-3 por mês.

O Caso De Charlotte Figi

Outro caso famoso foi o de Charlotte Figi, uma menina de nove anos do Colorado, EUA. A menina tinha sofrido convulsões extremas, até mesmo 50 por dia, e nenhum tratamento convencional era suficientemente bom para lhe facilitar a vida. Foi então que os seus pais decidiram tentar dar óleo de cannabis à sua filha, feito tanto de CBD como de THC.4

Os resultados vão de 50 convulsões diárias a 2 ou 3 convulsões nocturnas por mês. Se isto não é prova suficiente da eficácia da erva para a epilepsia, então o que é, realmente? E estes são apenas alguns exemplos de como a cannabis pode tornar a vida dos pacientes epilépticos muito mais agradável.

 

O caso de Charlotte Figi com cannabis para tratar a epilepsia mudou a visão do mundo sobre o tema

O caso de Charlotte Figi com cannabis para tratar a epilepsia mudou a visão do mundo sobre o tema.

 

Para sorte de todos, este caso de Charlotte Figi conseguiu ser publicado pela revista Epilepsia, ganhando visibilidade suficiente para que as autoridades maiores e a sociedade em geral se apercebessem da necessidade de investigação sobre o assunto. 

4. A Conclusão: Um Apelo À Investigação

Agora, se aprendemos alguma coisa neste artigo, além dos benefícios de tratar a epilepsia com marijuana medicinal, é a importância de se conscientizar sobre o assunto. 

Quando dizemos conscientizar, não só nos referimos à necessidade de investigação sobre o assunto a fim de aperfeiçoar os tratamentos de cannabis para esta condição neurológica, mas também à necessidade de apagar o tabu que foi construído sobre o uso da marijuana. Já não vivemos no passado com modos de pensar antiquados, é tempo de mudar para melhor. 

Então sim, algumas pessoas usam a marijuana de forma recreativa, e qual é o problema com isso? Não estamos a fazer mal a ninguém, e a proibição só está a estabelecer limites desnecessários. Assim que conseguirmos livrar-nos desta abordagem obstinada à cannabis, abrir-se-ão tantas portas à vista dos resultados incríveis que as investigações mais recentes trarão. 

 

Isenção De Responsabilidade Médica

Este conteúdo é apenas para fins educativos. A informação fornecida deriva de pesquisas recolhidas a partir de fontes externas.

 

Referências Externas

  1. "Seizures and Epilepsy: An Overview for Neuroscientists" Carl E. Stafstrom and Lionel Carmant. June 2015.
  2. "Effect of Cannabidiol on Drop Seizures in the Lennox-Gastaut Syndrome" Orrin Devinsky, Anup D. Patel, J. Helen Cross, Vicente Villanueva, Elaine C. Wirrell, Michael Privitera, Sam M. Greenwood, Claire Roberts, Dan Checketts, Kevan Vanlandingham, and Sameer M. Zuberi. New England Journal of Medicine, May 2018. 
  3. "Trial of Cannabidiol for Drug-Resistant Seizures in the Dravet Syndrome" Orrin Devinsky, J. Helen Cross, and Stephen Wright. New England Journal of Medicine, August 2017. 
  4. "The case for medical marijuana in epilepsy" Edward Maa and Paige Figi. Epilepsia, June 2014. 
10 June 2021
Comments